• Portais do Grupo Hoje Comunicações

Vereador Rodrigo de Faveri acusa prefeitura de atrasar entrega da cesta básica a servidores

Na sessão da Câmara Municipal de Artur Nogueira desta segunda-feira (11), o vereador Rodrigo de Faveri (PTB) afirmou que os funcionários da Prefeitura não estão recebendo a cesta básica há dois meses.

O vereador começou seu discurso falando sobre a fome, citou a entrega de comida aos refugiados pelo mundo. “Existe uma coisa pior do que entregar comida dessa forma: é negar a comida a quem tem direito. É um assunto duro, difícil de ser tocado”, disse Rodrigo de Faveri.

De acordo com o parlamentar, o único benefício que os servidores possui é a cesta básica. Faveri afirma que foi uma lei do ex-prefeito Luiz de Faveri, seu pai, que os funcionários públicos passaram a receber esse benefício.

Segundo o vereador, o prefeito  Prefeito Ivan Vicensotti (PSB) estaria descumprindo a legislação vigente de maneira rotineira. Neste último atraso, de acordo com ele, os servidores municipais já estariam sem receber o benefício, instituído por lei, há aproximadamente dois meses. “Alguns dizem que estão sem a cesta há três messes”, afirma o edil.

Com os constantes atrasos, segundo ele, os funcionários acabam tendo que dispor do dinheiro reservado para saldar outros compromissos nos gastos com alimentação, comprometendo o orçamento familiar.

“É uma falta de respeito para com a dignidade humana negar o direito de comida a quem tem o direito. Nuca, na história de Artur Nogueira, o Poder Executivo deixou de fornecer por mais de dos meses consecutivos a cesta básica aos funcionários públicos”, explica o vereador.

Rodrigo de Faveri disse que os secretários e o Prefeito estão deixando os servidores sem comida. O vereador fez um requerimento pedindo informação e, segundo ele, o Prefeito mentiu dizendo que isso só aconteceu em dezembro.

“Em 2017 tive a informação: foi pago pela certa básica dos servidores públicos, pelo decreto do sr. Ivan Vicensotti, por cinco quilos de arroz, cinco quilos de açúcar, dois pacotes de macarrão, uma lata de extrato de tomate, dois quilos de feijão, um pacote de fubá, um pacote de biscoito, um quilo de sal, duas latas de sardinha e dois litros de óleo de soja,  o valor de R$ 108,00. A Câmara Municipal comprava a mesma cesta por R$ 48,00 e hoje paga R$ 52,00 em 2019. Eu vim aqui e denunciei, jogando o alimento em cima desta mesa aqui, dizendo que a cesta básica de Artur Nogueira estava superfaturada, uma engrenagem que funciona quebrada, que funciona mancando, que funciona errada, uma hora ela vai parar de funcionar. Parou! Não tem cesta básica porque superfaturaram a cesta básica, falta de vergonha na Cara!” , exclamou o edil.

O vereador disse que tem muita gente que não tem comida em casa. O vereador terminou seu discurso dizendo que representa o povo, incluindo os servidores. “Até o final dessa semana, se não for regularizada, eu vou para mídia, para o Ministério Público, mas o povo não vai passar fome”, termina o parlamentar.